Exposição "Moderna para Sempre – Fotografia Modernista Brasileira na Coleção Itaú Cultural"

marcar eventos listados desmarcar eventos listados

tornar rascunho publicar
{{data.processingText}}
{{numSelectedEvents}} {{numSelectedEvents == 1 ? 'evento selecionado' : 'eventos selecionados' }}

A mostra exibe trabalhos considerados raros e que formam a coleção de fotografia modernista do acervo do Itaú Cultural. Com curadoria do fotógrafo e pesquisador Iatã Cannabrava, apresenta 118 imagens de artistas renomados da fotografia como Thomaz Farkas, José Oiticica Filho, German Lorca, Geraldo de Barros, Marcel Giró, Ademar Manarini, Mario Fiori e Eduardo Salvatore.

Site: https://secult.es.gov.br/Notícia/palacio-anchieta-recebe-exposicao-moderna-para-sempre-fotografia-modernista-brasileira https://secult.es.gov.br/Notícia/palacio-anchieta-recebe-exposicao-moderna-para-sempre-fotografia-modernista-brasileira

Descrição

Com curadoria do fotógrafo e pesquisador Iatã Cannabrava, apresenta 118 imagens de artistas renomados da fotografia como Thomaz Farkas, José Oiticica Filho, German Lorca, Geraldo de Barros, Marcel Giró, Ademar Manarini, Mario Fiori e Eduardo Salvatore, com foco na importância do movimento modernista para a cultura e identidade brasileiras.

A mostra exibe trabalhos considerados raros e que formam a coleção de fotografia modernista do acervo do Itaú Cultural. Entre os destaques, podem ser citadas obras como Formas (1950), de Eduardo Salvatore, que teve importante papel no cenário fotoclubista como um dos fundadores do Foto Cine Clube Bandeirante, em 1939, em São Paulo; a vintage, de data indefinida, Sem Título, do catalão que viveu exilado no Brasil Marcel Giró, além de Botellas (1950), Esboço (1960) e Autorretrato com sombra (1953); e Elos (1950), de Mario Fiori.

Obras dos fotógrafos José Oiticica Filho e Osmar Peçanha também integram a mostra. Do primeiro, há seis fotografias feitas entre 1949 e 1958, todas com a sua marca de forte contraste de claros e escuros e a relação entre pessoas, espaços vazios e a geometria, como em Triângulos Semelhantes, de 1949. Do segundo, há quatro obras – Palmas (1951), Equilíbrio (1960), Estacas (1981) e Linhas (1993). Outro expressivo membro do Foto Cine Clube Bandeirante, Thomaz Farkas, tem seus trabalhos como Energia (1940) e Bailarina do Balé da Juventude UNE, Rio de Janeiro, RJ (1947) em exposição. Retratando o abstrato-geométrico de Ademar Manarini há 8 obras, como Janelas II (1953), Sem título (1950), Passarela – Largo Ana Rosa (1950) e Composição (1960).

De Gertrudes Altschul, uma das raras representantes do gênero feminino no fotoclubismo a partir da década de 1940, estão expostas A Folha Morta (1953), Composição (s.d) e Composição II (s.d). Juntam-se a essas obras as fotografias de Rubens Teixeira Scavone, como a contemporânea Abstração #5, de 1950. De Gaspar Gasparian, há a fotografia Composição Moderna (1953); 11 fotos de German Lorca, como Curvas Concêntricas (1955), Pernas (1970), Galhos Remontados (1955) e Homem Guarda-Chuva (1954). Além de trabalhos de Gunter E.G. Schroeder, Geraldo de Barros, Fabio Moraes Bassi, Paulo Pires, entre outros, estão presentes na exposição 23 trabalhos de José Yalenti.

- SERVIÇO
Moderna Para Sempre – Fotografia Modernista Brasileira na Coleção Itaú Cultural
No Espaço Cultural Palácio Anchieta, Vitória, ES.
Abertura: 11 de abril, às 18h30
Visitação: 11 de abril a 25 de junho de 2017
Horário de visitação: de terça-feira a sexta-feira, das 9h às 17h
Sábados, Domingos e Feriados: das 9h às 16h
Entrada gratuita
Classificação indicativa: Livre

Galeria

evento entre e Baixar Planilha

Publicado por

Palácio Anchieta

Construção jesuítica que abriga a sede do governo estadual, tombada como patrimônio cultural do Espírito Santo. Abriga também um espaço cultural, no qual ocorrem diversas exposições artísticas e científicas.

Nome:

E-mail:

Tipo:

Mensagem:

Enviando mensagem

Enviando mensagem